No site da Prefeitura de Garanhuns encontramos: “Diz a sabedoria popular de um povo que vive no coração do Agreste Pernambucano que quem beber da água de Garanhuns, um dia volta.” Isso não é exagero. Essa cidade, com 136.057 habitantes (IBGE 2014), ergue-se imponente entre sete colinas. Esta, provavelmente, é a razão de seu clima tão agradável. Garanhuns está situada no planalto da Borborema, a 842 metros acima do nível do mar. No ponto mais elevado, a altitude chega a 1.030 metros. É o principal município do Agreste Meridional, distante 230 quilômetros da capital do Estado com área de 472,461 km².

Sem dúvida, sua localização é muito privilegiada. E, seu charme especial, a tornam uma cidade muito agradável. São as sete colinas que cercam a cidade – Monte Sinai, Triunfo, Columinho, Ipiranga, Antas, Magano e Quilombo – que lhe proporcionam o clima de montanha, onde a temperatura média anual é de 21°C, variando entre 10°C  no inverno (temperatura mínima registrada em 23/09/78 e em 05/07/98), e podendo atingir 34,5°C no verão (temperatura registrada em 22/01/2005). Sua paisagem, é permanentemente verde. As flores espalhadas por toda a cidade, nas praças, nas ruas e nos jardins e seu clima de montanha, lhe valeram os carinhosos títulos de”Cidade das Flores” e “Suíça Pernambucana“.
Obs. Os dados referentes às temperaturas máximas e mínimas registradas foram obtidos do Banco de dados meteorológicos para ensino e pesquisa do Instituto Nacional de Meteorologia.

Relógio das Flores

A cidade, é verdadeiramente encantadora. Para onde você vá, encontrará belas paisagens. Uma das marcas regitradas de Garanhuns, é o relógio das flores, localizado na Praça Tavares Correia. (Foto ao lado). Segundo o IBGE, Garanhuns é hoje, um dos 23 municípios do Estado com melhor qualidade de vida.

Os visitantes se encantam! Clima frio e ar europeu, em pleno agreste pernambucano. “Conhecer Garanhuns é descobrir que o paraíso existe, entre sete colinas.”

Informações sobre o Município

Data de Criação: 10 de março de 1811
Data de emancipação: 4 de fevereiro de 1879 – Lei 1.309/79
O município está localizado na Mesorregião do Agreste Pernambucano, Microrregião de Garanhuns e Região de desenvolvimento do Agreste Meridional. Está situada no Planalto da Borborema, o que coloca a cidade em posição estratégica com relação aos grandes centros urbanos do Nordeste. É cortada por uma malha rodoviária formada de rodovias federais e estaduais em bom estado de conservação. As rodovias federais BR-423 e BR-232, além das estaduais PE-177 e PE- 218 ligam Garanhuns à capital do Estado e às demais cidades do Nordeste e do Sul do País.

Limites do Município
Norte: Capoeiras e Jucati
Sul: Lagoa do Ouro e Correntes
Leste: São João e Palmerina
Oeste: Caetés, Saloá, Paranatama, Brejão e Terezinha
Distritos: Iratama, Miracica e São Pedro
Aspectos Físicos Latitude: 8° 53′ 25″  Longitude: 36° 29′ 34″
Bacia hidrográfica: Rio Mundaú, Lago Mundaú e Açude Público.
Clima: Mesotérmico
Precipitação pluviométrica média (2002-2008): 1.038 mm/ ano:
Vegetação: Floresta Subcaducifólia
Distancia da Capital: 230 km

OS ENCANTOS DA CIDADE DAS FLORES

Dizem que  Deus estava num dia inspirado quando criou Garanhuns. Quase tudo na cidade é bonito. E não faltam opções para você desfrutar uma estadia agradável em contato com a natureza. Os canteiros floridos e sempre em bom estado das ruas e das praças, são cenários para belas fotografias.

Parque Ruber Van Der Linden

Seus principais parques são o Euclides Dourado e o Ruber Van Der Linden. O primeiro ocupa uma área de oito hectares e é cercado por uma floresta de eucaliptos em plena área urbana. As pessoas costumam fazer cooper por lá logo cedo e, o aroma de eucalípto, se propaga por dezenas de metros. Já o segundo, também conhecido por Pau Pombo, mais próximo ao centro da cidade, é uma área vasta em vegetação e muito agradável para passar algumas horas em contato com a natureza e meditar.

Parque do Pau Pombo



À noite, um dos locais mais bonitos para visitar é a fonte luminosa da Praça Souto Filho. Nela você encontrará canteiros floridos, rica arborização e um agradável cantinho para refletir.

As opções de diversão em Garanhuns, no entanto, não se resumem aos seus parques e praças.

Logo na entrada principal, vindo pela BR – 423 os visitantes são recepcionados por um belo portal que lhes dão as boas vindas.

Já o Centro Cultural Alfredo Leite Cavalcanti, na antiga Estação Ferroviária, desde 1979 transformou-se em importante reduto de difusão da cultura e da arte da região.

O Mosteiro de São Bento foi todo construído em tijolo aparente, ao estilo dos antigos mosteiros beneditinos é outro local que vale uma visita. Ele fica no centro da cidade, próximo ao Armazem Pérola. Do mesmo modo, também deve ser incluído no seu programa, o Cristo do Magano, de onde se tem uma bela vista panorâmica da cidade.

O Santuário Mãe Rainha também fica bem próximo ao centro, na rua XV de Novembro e, do mesmo modo, merece que você reserve algum tempo para passar por lá pois, é o 21º santuário construído no Brasil, sendo uma réplica fiel do santuário de Schoenstatt, na Alemanha. Lá é um local de paz, de oração e de alegria.

Para incrementar ainda mais o turismo, a cidade conta com importantes eventos, a exemplo do Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), criado em 1991 e que já faz parte do calendário turístico estadual. A cada ano, aumenta o fluxo de turistas vindos de todo o País, que visitam a cidade no período do festival, durante o mês de julho.
A seguir, os principais pontos turísticos da cidade por regiões.

PONTOS TURISTICOS

ZONA HELIÓPOLIS

Acesso Leste e Pórtico Monumental – Foi inaugurado no ano 2000. É um dos mais novos cartões-postais de Garanhuns, ao lado do Santuário Mãe Rainha.  O responsável pela obra foi o arquiteto Carlindo Lopes. Localiza-se na entrada da cidade,  dando as boas-vindas ao turista. Trata-se de um projeto viário e de urbanização com viadutos, iluminação, jardins, Centro de Artesanato e, o mais importante, o famoso Pórtico Monumental, com o nome de Garanhuns e a data de sua elevação a categoria de cidade, apesar do uso incorreto do termo Fundada em (1879). Nenhuma outra cidade do Estado possui uma entrada tão convidativa, escreveu-se no Diario de Pernambuco após a inauguração.

Relógio de Flores – É um dos principais cartões postais de Garanhuns, a exemplo dos seus semelhantes em Berna, Genebra e Zurique, na Suíça, em Viña del Mar, no Chile, em Blumenau – SC, em Cutiriba – PR e Petrópolis – RJ. Foi construído em 1981 na bela Praça Tavares Correia, onde você encontrará um Centro de Informações Turísticas. Mede 4 m de diâmetro e é o único do Norte/Nordeste do Brasil a funcionar com cristal de quartzo. Isto lhe dá uma grande precisão. O relógio só atrasa 1 minuto por ano.

Casarão dos Lundgren (Casarão do Eucalipto) – A antiga residência da família Lundgren, das Casas Pernambucanas, hoje propriedade do Grupo Ferreira Costa, é uma priopriedade que impressiona, mais pela vastidão do terreno, quase totalmente ocupado por eucaliptos, do que pelo edifício em si. Na época do FIG, ali ocorre o Projeto Arte no Casarão, congregando artesãos de várias regiões do Estado.

Parque Euclides Dourado (dos Eucaliptos) – É o principal parque urbano de Garanhuns, concentrando vários pólos artístico-culturais durante o FIG. Era denominado Horto dos Eucaliptos, com uma área de 8 ha foi transformado em Parque Municipal e Jardim Zoológico. Atualmente, dispõe de quadra de futsal e de basquete, pista de cooper, rampa de skate e playground, além de abrigar o Pombal e a Biblioteca Municipal Luís Jardim.

Igreja do Perpétuo Socorro (Igreja Redonda) – Na onda modernista ocasionada pela construção de Brasília, entre os anos de 1957 e 1962, foi construída a Igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, de acordo com o projeto arquitetônico dos engenheiros Albert e Pierre Reithler. Devido ao seu formato, foi apelidada de Igreja Redonda ou do Cuscuz. Em seu interior, existem painéis com imagens sacras em estilo bizantino pintadas em azulejos pelo renomado artista plástico Cláudio Pastro.

Seminário de São José – Erguido em 1944 em tijolo aparente, o Seminário abriga os seminaristas da Congregação Diocesana. Atualmente, também funciona como hospedaria, proporcionando uma interessante experiência de contato com o estilo de vida monacal, rústico e despojado de excessos materiais, a preços bastante razoáveis.

Fonte Luminosa – Localizada na Praça Souto Filho, local do novo polo gastronômico da cidade. No final da tarde, os pássaros passam pela fonte e se recolhem nas palmeiras imperiais. À noite, refletores com luz verde proporcionam um espetáculo visual ao incidirem nas águas da fonte. Do outro lado da Praça, está o centenário Colégio Presbiteriano XV de Novembro, um dos mais tradicionais colégios da cidade.

ZONA CENTRO

Catedral de Santo Antônio – Dedicada ao padroeiro da cidade, o conhecido santo casamenteiro, esta catedral construída em 1859, apresenta o atual aspecto desde 1872 e conserva os restos mortais de diversos bispos diocesanos, dentre os quais o do mártir Dom Expedito,  cujo processo de canonização está sendo examinado pelo Vaticano. É lá que, durante o Festival de Inverno, acontecem as apresentações de música erudita. Ao seu lado está o tradicional Colégio Santa Sofia, das Damas da Instrução Cristã.

Palácio Episcopal – Sede da Diocese criada pelo Papa Bento XV em 1918. Neste local, Dom Francisco Expedito Lopes, foi vítima de 3 disparos efetuados pelo Padre Hosana, vigário da Paróquia de Quipapá, num dos únicos 3 casos de um padre que matou um bispo na história da Igreja Católica. Os outros dois se deram em 1857 na França e em 1867 na Espanha. Aquele padre era acusado de levar vida conjugal com uma parente e com uma empregada. Tendo sido suspenso de suas atividades pelo bispo, assassinou-o causando grande comoção popular. Atualmente, como há um processo de canonização do bispo no Vaticano, o local abriga o Museu Dom Expedito, conservando as relíquias relacionadas à vida do futuro santo e aos trágicos acontecimentos de sua morte.

Palácio Celso Galvão – É a sede da Prefeitura da cidade. Construído em 1943 pelo então Prefeito Celso Galvão, é uma obra-prima do estilo arte déco. Sua construção foi inspirada na tipologia das construções maias. As fachadas, de cor escura, foram revestidas com reboco de pó de mica, para conferir autenticidade ao projeto. Seu interior por sua vez,  apresenta escadaria em caracol e paredes com os mesmos traços paralelos usados na fachada.

Espaço Cultural Luís Jardim – Este Espaço localiza-se na Av. Santo Antônio, a primeira rua da cidade e,  atualmente, a principal avenida comercial de Garanhuns. Recebeu este nome em homenagem ao poeta, escritor, jornalista e pintor garanhuense Luís Jardim. O local é uma espécie de “Marco Zero” da cidade, no qual havia a primitiva Capela de Santo Antônio. Lá você encontrará a história de Garanhuns em uma série cronológica de painéis cerâmicos em alto-relevo de autoria do artista plástico Armando Rocha,. Lá você encontrará a história desde a ocupação primitiva de Garanhuns por parte dos índios, habitantes dos “Campos dos Garanhuns”, passando pelo Quilombo dos Palmares e estendendo-se até a emancipação política do Município.


Colônia de Férias do SESC – Uma excelente opção de hospedagem, no centro da cidade, construída para  os comerciários, mas depois, aberta também aos não comerciários. Lá você encontrará a moderna Galeria de Arte Ronaldo White, com constantes exposições, e o Restaurante Chá Preto, aberto também ao público.

Parque Ruber van der Linden (Pau Pombo) – Reserva ecológica de mata tropical em área urbana com caráter recreativo-educacional. É mais conhecido como Pau Pombo, que era sua denominação original. Recebeu este nome atual, em homenageia ao engenheiro, historiador, jornalista e poeta Ruber van der Linden, que o organizou quando estava à frente da Empresa de Melhoramentos de Garanhuns. Durante o Festival de Inverno, os espetáculos de música instrumental, ocorrem no entorno de sua entrada em formato de colunas dóricas.

ZONA GUADALAJARA


Esplanada Cultural Guadalajara – Este complexo cultural e paisagístico, foi idealizado pelo ex-Prefeito Silvino Duarte, e abrange uma área de 52 mil m², estendendo-se pelas Praças da Bandeira, Tiradentes, Dom Moura e Guadalajara, esta, a antiga Praça de Eventos, que há mais de 20 anos recebe os mais importantes shows do Festival de Inverno. Inclui o novo Pátio de Eventos e o Centro Cultural Alfredo Leite Cavalcanti, tudo isso cercado por majestosas palmeiras imperiais. Sua execução implicou a demolição da Vila Alpina, antiga vila cenográfica fixa que foi tornada móvel, mas a plena concretização do projeto esbarrou na demolição da antiga Estação Rodoviária, inicialmente prevista, mas que não chegou a ser efetuada.

Praça Dom Moura – Existe desde a segunda metade da década de 20 do século passado. É uma praça construída para homenagear o primeiro bispo de Garanhuns. Destaca-se a balaustrada barroca que a contorna, assim como, pelo carramanchão em formato de coreto, com colunas dóricas no seu centro. Impossível também não atentar parar o incessante canto das cigarras que ali fazem suas apresentações.

Centro Cultural Alfredo Leite Cavalcanti – A antiga Estação Ferroviária, inaugurada em 1887 como ponta da linha que vinha do Recife para o Rio São Francisco, abriga desde 1979, o Centro Cultural de Garanhuns. Foi preservada a arquitetura inglesa, de influência neoclássica, característica das construções da Great Western. Sua fachada tem 3 portas e 4 janelas, todas com treliças no alto e protegidas por meia grade de ferro batido. Em seu interior, funciona o Memorial da Cidade, com um rico acervo documental, iconográfico e museográfico sobre a história da Terra de Simoa Gomes; a Casa do Artesão, onde é possível adquirir produtos produzidos pelos artesãos locais e, onde era o antigo modulo central, por onde passava o trem, encontra-se o charmoso Teatro Luiz Souto Dourado, imitando um vagão, sendo a sede dos espetáculos teatrais durante o Festival de Inverno. Por último, no primeiro andar, está o bar O Vagão, petisqueria tradicional, reduto da boemia local, recentemente reinaugurado. 

Mosteiro de São Bento – A construção em tijolo aparente foi concluída em 1940 e lembra os mosteiros beneditinos da Idade Média. Possui claustro, cripta e uma capela moderna, com belos vitrais e um impressionante painel que faz alusão ao apocalipse, todos obras do artista plástico Cláudio Pastro. O Mosteiro funciona como escola de formação de monges, fabrica hóstias e é usado também como hospedaria, a exemplo do que também ocorre com o Seminário de São José. Há ainda uma loja onde os beneditinos vendem sírios, ícones, pinturas e licores artesanais por eles produzidos.

OUTRAS ATRAÇÕES


Castelo de João Capão – O eletricista João Ferreira, conhecido como João Capão, construiu um castelo medieval há quase 20 anos. Já ergueu duas torres, um salão, um jardim com uma curiosa fonte (uma garota tomando banho,  projetada por um amigo) e algumas derivações. Pretende ainda construir mais uma ou duas torres e uma muralha externa.  

Fonte no Castelo do Capão


Cristo do Magano – O artista Renato Pantaleão, em 1954, esculpiu uma imagem de Jesus Cristo com 4 m de altura para ser colocada no Alto do Magano,  uma das sete colinas da cidade e o segundo lugar mais alto de Pernambuco, perdendo apenas para o Pico do Papagaio em Triunfo. Sua altitude é de 1.030 metros acima  do nível do mar. É o Cristo mais alto do Brasil. em relação à sua localização. Vale a pena uma visita, especialmente pela belíssima vista da cidade e de seus arredores que se visualiza do alto da colina.

Santuário Mãe Rainha – Erguido em 2004, é a mais nova atração turística da cidade.  Destaca-se também por ser uma das três únicas réplicas existentes no Nordestre brasileiro, do Santuário de Schöenstatt, da Alemanha.  . As outras duas estão em Olinda – PE e Salvador – BA, de um total de 21 existentes no Brasil. Importante centro de peregrinação e meditação.

Anúncios